Sunday, March 06, 2011

ir na vida triunfante como um automóvel último-modelo…


Olá, como se chama? Não foi complicado vir ter a minha casa? Não é simples encontrar esta vila escondida caracterizada por um levíssimo toque de mistério, como um sítio abandonado aos lobos, distante da grande cidade repleta de betão e ruas cheias de encontrões. Quando viu uma casa pequena, uma quase tenda no deserto soube certamente que aqui era o meu refúgio, este espaço-silêncio, comprado em hasta pública, rodeado de coisa nenhuma. Eu sei, a casa é modesta, mas é a minha pérola redonda. Não preciso de um palácio adormecido à beira lago da velha Escócia, mas não prescindo do arder de velas em candelabros de bronze, de um copo de vinho, de um cigarro e de um sorriso, de quando em vez. Embebida num véu de magia coloco um colar de pétalas e sento-me nesta poltrona defronte da janela, escutando o mar, a agitação das ondas torcidas como búzios, o vento, a chuva, o clamor da tempestade, a serenidade do luar, espiando uma estrada de estrelas que parecem flores e acenando às asas de aviões distantes. Os sons lá fora em sinfonia são violinos bem tocados e toda a música me pertence despertando o desejo de abrir a porta às sereias dos cabelos cor de violeta e com elas dançar sem parar. Entrego-me à vida como a um vício. Bourgeois, a gata, de quando em vez, desentorpece-se, desremela os olhos, trepa pelas paredes acima e acaba por sair, entra sem bússola nem licença nos terrenos mais próximos. Gosto de pensar que é uma espécie de gata em telhado de zinco quente que permite algumas coisas mas não todas. É uma felina que não dissimula mas que recheia horas mortas, fazendo-me carícias às pernas e ao espírito, é uma sócia que não importuna. Cúmplice, regressa sempre com o amanhecer do universo, lembrando um fantasma assustado a pedir aconchego. Meu jovem jornalista está a ouvir uma mulher de idade, sem biografia ou requinte e que não foi uma rainha do êxito nem femme fatale, como todas as velhas dizem ter sido, apenas interpretei umas coisitas numa altura em que uma mulher cantar jazz significava sair da sombra da história da arte sem ter de falar a linguagem dos machos, mas tornar presente o seu próprio desejo. Caríssimo, não o conheço, só presumo que seja mais um estagiário grávido de esperanças que lançam às feras com vencimento zero, nem percebo se veio do sol ou do mar, mas confidencio-lhe que a minha vida é louca mas feliz. Construo o meu real conforme me apetece. Gosto do acaso do dia-a-dia por que o seu perfume não se esgota, enalteço a surpresa dos instantes! Na minha vida o abismo, a amargura, as depressões sincopadas, o medo, a nostalgia, o odor de morte são inconstitucionais, tão pouco sei o que são. Vivo sem muito dinheiro mas o paraíso pertence-me. Habito uma espécie de união clandestina, por que nunca senti a necessidade de oficializar o amor que sinto por um homem que conheci em fresca idade e cujas crateras dos seus olhos cor de oceano pese os tempos permanecem belas...um escultor de belos traços, possante e frágil, de ascendência judia, artista de primeiríssima água, que vive tal caixeiro-viajante transportando a bagagem abstracta dos anos, deslumbrando-se de terra em terra, carta sem paradeiro certo, mas continuando a preservar o jardim do prazer que é o seu velho ateliê, a poucos quilómetros daqui. Fazemos amor de vez em quando. Quando a noite é mais forte e nos parece iluminada de archotes. Amizade, ternura ou amor, pouco interessa. Um sentimento de muitos anos sem imposições ou grades e a deixar os dias correr tranquilamente. Sou solidária com a Phedra, travesti cubano de porte altivo mas vestida de revolta, especialista em fracassos no mercado escravo, a quem num dia de vendaval dei a mão, é ela que me limpa a casa e me traz as compras da mercearia mais inspirada. Caminho pela praia, a minha avenida, aos fins de tarde, pisando a areia molhada onde o tempo poisa leve. Contemplo o azul e os barcos no mar; as conchas e os seixos habitam-me o olhar. Imagino deusas a voltarem à terra montadas em cavalos brancos, uma delas preta, tal como eu, num mundo que se enfeita de arco-íris e que respeita todos os aromas e qualquer cor. São os sonhos da criança que serei sempre. É necessário, às vezes, não acordar a utopia, o poema que se dissolve na boca. A noite sensualíssima traz consigo a espuma e o sal e deita-se comigo, nua nos meus braços. Que mais posso desejar? De vez em quando alguém se lembra que gravei uns discos e compram, fico enternecida tal como quando sentia a tensão do clarinete. Não tenho esconderijos nem disfarce. Apenas um chão feito de memória. Em certos momentos sinto falta da minha filha que mora num país perdido. Cansei-me de tentar desvendar o seu segredo, gostava que telefonasse, ainda assim tenho intacta a sua ausência e o privilégio de me comover com o vestido em tons floridos que revejo numa sua fotografia de menina de longos cabelos que embala uma boneca. Sabe uma coisa? Ultimamente tenho mergulhado em águas da poesia portuguesa. Li um tal Álvaro de Campos e num só verso identifiquei a minha alma: poder ir na vida triunfante como um automóvel último-modelo!

Luís Galego

imagem retirada da net

13 comments:

Maruska said...

Ai...não tinha acabado e desapareceu porque fui tri-reler a frase "... faço amor com um homem...." e disse para comigo "O quê???????" então fui tri-reler e lá vi que é uma história de uma qualquer mulher que está ou habitou a tua imaginação!!! Será que existe??? Sabes, aquela parte em que ela passeia pela praia....podia fazer~lhe companhia de longe! Nesses momentos estar-se só é uma benção!!!
Gostei e muito, como sempre! Um grande beijinho Dôtô!!!!!

Ana Maria de Portugal said...

Como se devem rever nesta estória tantas e tantos por esse mundo!
Nos últimos dias andei e ando embrulhada numa vida que não é a minha mas que me fascina...Muito parecida com esta, mas de um homem...de um poeta... de um "Tudo" que gosto de descobrir e que me encanta:
Poeta errante, desenhador, um pouco de tudo e de toda a extravagância que eventualmente possam conceber.
Este belo texto fez-me mergulhar ainda mais nesta Vida que agora me preenche...
Parabéns, Luís!
Sempre em sintonia...

Rosário said...

Belíssimo Luís. Verosímel. Apetecível, até.
"Entrego-me à vida como a um vício."
Apetecível :) Tão bem imaginado e descrito...

Beijinho, querido amigo!

http://josehspereira.blogspot.com/ said...

O simples pode ser tão bonito. Parabéns.

ANITA said...

Ou a enorme sabedoria de se ser feliz!!!!
Olá Luís!
Que bela e límpida esta tua escrita.
Tens o dom de nos deliciar com as palavras. E de dizer o que nos vai na mente e na alma!
Uma vontade enorme em continuar a ouvir a estória desta senhora que decerto terá mais e mais histórias a nos contar.
Quando for "grande", também quero uma casa assim, longe de tudo, perto do coração!
Um beijo meu amigo
Ana

pinguim said...

E as palavras fluem, tão fáceis, na tua escrita...
Eu não sei como ou quando escreves, mas o pouco que conheço de ti, me dá a ideia de que nada é elaborado ou demasiadamente equacionado.
Simplesmente, imaginas uma situação e deixas as palavras saírem...

driftin' said...

...E assim, recorrendo a um cinzel preferencialmente rústico, se vai modelando o busto de uma tranquila solidão a que não faltam os búzios, o azul e os sonhos.

Também não falta a saudade, mas essa - suponho que por timidez - prefere o recato da memória e o antiquíssimo som de um clarinete.

Há.dias.assim said...

Mais uma excelente viagem literária...
obrigada Luís!

Avelaneira Florida said...

Uma VIDA!!!!
Viver assim...um paraíso!!!!
Quantos humanos serão capazes de alguma vez fruir algo semelhante...

saio com um décor de "Sunset Boulevard"...

Fernado Palaio said...

BELÍSSIMO TEXTO BEM REVELADOR DE TEUS NOBRES SENTIMENTOS E RESPEITO PELA VIDA.
UM GRANDE E FORTE ABRAÇO MEU ESTIMADO AMIGO
(nunca deixes de nos presentear com tuas belas e tão bem escritas palavras...)
Fernando

Mel de Carvalho said...

Luís,
cada texto teu é uma ode ao bem escrever, mas, e acima de tudo o mais, uma viagem ao que de mais íntimo e, por vezes (na maior parte das vezes), mais secreto, mais doloroso. Na aparência deixamos o rasto de passagem, "último modelo", na essência, a dor de uma ausência, de várias ausências que, em apneia tentada, não permitem, por excesso de escuridão pelágica, o regresso ao tempo onde o sol branqueia o mar...

Beijo com admiração e carinho, meu querido e saudoso amigo.
Sabes-me por perto.

Mel

Cidade Tranquila said...

Gostei muito, puro!

Anonymous said...

Sempre a desenhar palavras de encantamento em tudo aquilo que descreve.
Olhos de sonhador, de poeta que escreve um conto que apesar de conto só traz poesia.
AH!!!! Grande Luís que habita todos os meus dias!!!!
Um Beijo e minhas impressões, sempre