Friday, February 09, 2007

depressãozinha...

Little Children
Pecados Íntimos relata a história de dois casais, recentemente casados, que vivem na mesma comunidade e cujas vidas se vão interligar. Durante o dia eles são pais perfeitos, dedicando-se ao sucesso dos filhos. À noite recorrem a pornografia na internet e a casos extra-conjugais. Quando as suas vidas se interlaçam a situação em que vivem torna-se perigosa. As crianças do filme são os adultos, com as suas fantasias, medos, segredos e intrigas. O grupo de mães que se reúne no parque infantil e que mesmo desejando o pai jovem recriminam a amiga que consegue relacionar-se com ele, a antropóloga que quer mudar a sua vida, mas que a resume em encontrar um príncipe encantado, o pai jovem que não saiu ainda da adolescência... É o início de uma amizade que envolve um homem frustrado por estar desempregado e uma mulher infeliz com o seu casamento e a sua própria vida. No filme apenas o pobre psicopata é o único que é visto como "doente" por levar às últimas consequências a sua mente infantil e perturbada. Porém, cabe a pergunta: não estão (estamos) todos sofrendo de infantilidade? Na nossa sociedade, tão moderna e com regras perversas, não corrermos também o risco de permanecer eternamente numa infância mal resolvida?

Já vi o filme a semana passada mas a febre e os espirros tiraram-me a vontade de escalpelizar este película que merece ser vista e contada…é verdade que fiquei deprimido. Havia sintomas. Quando uma furtiva lágrima deslizou no meu rosto percebi que estava apanhado dos nervos. Dá-me todos os Fevereiros, este género de gripe com tendência para a lamechice, que me põe o coeficiente de inteligência abaixo de zero. Pego num livro, só consigo ler biografias de génios desgraçados que me fazem sentir mais aliviado ou ouvir a Eunice Munoz recitar Florbela Espanca. Aprecio Sylvia Plath e a cabeça dentro do forno. Só posso estar pior que Goethe no leito da morte. A cabeça tomba-se para o peito. Pensando bem, escrever umas breves notas sobre um filme depois de o ter visto a semana passada e estar em casa encharcado em comprimidos por causa de uma gripe que nunca convido a entrar não é, apesar de tudo, o pior do mundo. Vão ver o filme, mas tomem um anti-gripe e ou um anti qualquer coisa…
Little Children - trailer

15 comments:

ERÓTIKA said...

ME EVAPORO EN UN SEGUNDO INFELIZ
EN LA CAVERNA OSCURA DE SEMINÍFEROS ALIENTOS
LA LLUVIA NAUFRAGA DESDE DENTRO
MAREJADAS ORGÁSMICAS SACUDEN DESDE DENTRO
LOS POROS DE LA TIERRA SUMERGIDOS ENTRE PIERNAS
MIENTRAS LA ESCALA DE RIGHTER
EYACULA SOMBRAS SOBRE SÁBANAS DE CEMENTO.
ABSORBO CON MIS LABIOS LA CABEZA RASGADA
Y EN LAS MANOS DESVESTIDAS
SE DESHACE LA ESCARCHA.
LA LLUVIA NAUFRAGA DESDE DENTRO
Y EL AIRE CAE GOTA A GOTA
COMO AIRE SUDADO POR UN ROCE
UNO DE CATRE URBANO
ARENOSO
TIBIO.
MIENTRAS
LAS ORILLAS SE ENTRELAZAN POR LOS DEDOS
Y LAS LENGUAS SE CONFUNDEN
CON LA HUMEDAD DEL ROCÍO
DE UN CIELO ENTABLADO
LAS CARICIAS DE MEMORIA SE RETUERCEN
Y SACUDEN CON LOS OJOS EL DEDO DEL SILENCIO
FUGAZ
HAMBRIENTO
APOCALÍPTICO
DESATADO. :)

Maria P. said...

É melhor tomar o anti...qualquer coisa.
Os meus "Fevereiros" também são assim.

A melhoras, bom fim de semana e um beijinho Luís.

Anonymous said...

As melhoras!!! e o é melhor é libertares a criança (feliz) que há em ti!!! :)

beijocas! bom fim de semana!
sonialx

Mel said...

Se te não conhecesse até levava esta depressão a sério. Mas conheço-te "brother" e sei o quão forte tu és.
Digamos que este Post está um bocadinho aquém do que nos habituaste e por isso se estranha.
Uma gripe é sempre uma chatice.
Tem a sua parte boa: tiveste tempo para acreditar que o virus depressivo te podia atacar ... e prevenir-te. Lendo, ouvindo música... fazendo o pino, sei lá!!!!
Faz favor de levantares o astral, porque eu, a tua sister Mel, necessita do teu ombro forte.

Bjs e rápido retorno às baias de qualidade que te caracterizam.

Jonice said...

Tomara esta não convidada gripe vá já embora!
O filme apetece sim, apesar da tendência de levar à depressãozinha.
Beijinho :)

elsa nyny said...

Olá!!
Passei por cá!!!
estive a ver os teus post's e adorei!
Será que te posso linkar...para vir cá mais vezes??

Tudo de bom e muita força!!

:))

TARCIO VIU ASSIM said...

Ah, Mestre, reclamar de uma gripezinha é tão infantil!
-
Como é bom ler teus escritos sobre filmes. Vou aprendendo....
-
Melhoras, ânimo.

Luís Costa said...

É sempre interessante ler a suas críticas. Não sendo grande conhecedor da sétima arte, gosto de ler os conselhos de pessoas que se conhecem nesses meios. Não conheço o filme, mas, depois de ter lido as suas palavras, despertou-me a curiosidade e irei vê-lo. Só tenho que descobrir o título em alemão. Mas isso não será difícil .

Quanto à pergunta que colocava no fim da primeira parte do seu post :

“ Na nossa sociedade, tão moderna e com regras perversas, não corrermos também o risco de permanecer eternamente numa infância mal resolvida? “

Eu, pela minha parte, não falaria de uma infância mal resolvida. Eu diria, antes, que o homem, embora possuindo capacidades tecnológicas que o aproximam dos deuses, ainda não conseguiu ultrapassar a época pré-histórica do SER. Ou seja, se é que o homem de hoje consegue brincar com as ferramentas dos deuses, encontrando-se, porém, ontologicamente ao nível do macaco, corre o perigo de se queimar. E isso é exactamente o que lhe está a acontecer nos nossos dias.
Encontramo-nos hoje no centro de um decadentismo espiritual. O “ ennui “ existencial dos nossos dias, ou seja a nossa barriga a abarrotar de comida e de pequenos prazeres, leva-nos a recorrer à perversão e aos prazeres mais abomináveis...
Infelizmente, o homem é e continua a ser um animal contraditório: um ser que erra, mas que esquece muito rapidamente que errou.

No que diz respeito às suas leituras, também eu sou um grande apreciador de biografias e também eu gosto de ler as biografias desses tais homens que podem ser considerados desgraçados ( talvez no que diz respeito ao êxito social e pecuniário ) mas que para mim não o foram. Para mim esses homens foram e continuam a ser verdadeiros deuses....
Lembro-me de um Arthur Rimbaud, de um Nietzsche , de um Hölderlin , de um Baudelaire ,
De um Nerval , de um Camões, de um Mário de Sá-Carneiro , de um Van Gogh, de um Gogol, de um Antero de Quental e muitos, muitos outros. Verdadeiros deuses...

Para terminar, desejo-lhe que se restabeleça da gripe o mais rápido possível.

Tino said...

As melhoras amigo! Não te deprimas que a Primavera está á porta e aínda a espantas! :D

Um abração!

Isto e meu...Silvia said...

Luis...
As melhores:)
Vim ca desejar-te uma optima semana e deixar ficar algo meu...
Um beijo e um :)!

Opintas/Bernardo said...

Bom texto. Boa noite.

Luís said...

"Tudo passa; tudo sempre passará."

Um GRANDE abraço e as melhoras =)

Maria João said...

Estimado Luis,
Espero que hoje te tenhas sentido Novo, sem bactérias, pastilhas, e almoços solitários.

Boa semana de trabalho e até breve
BJS

Vulcano Lover said...

Eu quero ir ve-lo nesta semana. Já te digo...
Um abraço

Wellington Almeida said...

Lindo, pequenos fotogramas de poesia. Gosto daquela economia de emoções que explodem no final, numa quase redenção. Um dos grandes filmes para abrir o ano de 2007! Um abraço.