Friday, November 03, 2006

improviso no Outono

Improviso no Outono

DONDE VEM?


DE QUE SORRISO


OU FONTE


OU PEDRA ABERTA


E É PARA TI QUE CANTA


OU, SIMPLESMENTE,


PARA NINGUÉM?


QUE JUVENTUDE


TE MORDE AINDA OS LÁBIOS?


QUE RUMOR DE ABELHAS


TE SOBE PELA GARGANTA?


NÃO PERGUNTES; ESCUTA:


É PARA TI QUE CANTA.


Tecla, Outubro 59

Eugénio de Andrade
(imagem: Autumn de M. Konstantinova)


*

Bom Dia!!!

4 comments:

MCA said...

Obrigada pela sua visita ao meu blog. Também gostei do seu e verifico que temos alguns gostos em comum, dos quais o mais curioso talvez seja o da Lua. Também tive aquele programinha da lua associado ao meu blog mas depois tive um problema de formatação, retirei-o e ainda não o repus.
Volte sempre.

Maria P. said...

Bom dia, simplesmente.

TARCIO VIU ASSIM said...

O dom de fazer poesia é o que ainda redime o ser humano. Concordas?
Abraço pernambucano.

Julieta said...

Eugénio de Andrade, um dos meus favoritos!!

Gosto imenso de 2 poemas em particular. Aquele em que nos diz para prcurarmos a maravilha (coisa que todos devemos fazer até encontrar...) e este:
É urgente o amor.
É urgente um barco no mar.

É urgente destruir certas palavras,
ódio, solidão e crueldade,
alguns lamentos,
muitas espadas.

É urgente inventar alegria,
multiplicar os beijos, as searas,
é urgente descobrir rosas e rios
e manhãs claras.

Cai o silêncio nos ombros e a luz
impura, até doer.
É urgente o amor, é urgente
permanecer.

Um bom dia!!!