Monday, June 25, 2007

um silêncio interior...

Je cherche surtout un silence intérieur. Je cherche à traduire la personalité et non une expression. Ou même temps, il faut la géométrie.
J`ai prove une grand joie à faire un portrait. C`est la chose la plus difficile car est un duel sans régles, un viol délicat.



Ontem fui ter com a minha mãe e o meu irmão Q. a Évora e acabei por me encontrar no centro histórico com um dos grandes génios da fotografia do século XX. Tive a oportunidade de me perder na exposição Um Silêncio Interior: os retratos de Henri Cartier-Bresson patente no Fórum Eugénio de Almeida que reúne uma centena de fotografias. Trata-se de uma selecção proveniente da Fundação Henri Cartier-Bresson, onde se incluem os retratos emblemáticos de personalidades míticas, como André Breton, Arthur Miller, Carson McCullers, Jacques Prévert, Jean-Paul Sartre, Jean Genet, Luchino Visconti, Marc Chagal, Marcel Duchamp, Marilyn Monroe, Neruda, Paul Eluard, René Char, Roland Barthes, Susan Sontag, Truman Capote, William Faulkner, ou Samuel Beckett, entre outros.


Cartier-Bresson nasceu em Chanteloup em 1908 mas a sua sensibilidade para a pintura levou-o até Cambridge, tornando-se discípulo do cubista André Lothe. A descoberta da fotografia aconteceria mais tarde, embora a sua formação artística surrealista dos meios artísticos de Paris, tenha sido determinante para o seu percurso. Aos 22 anos, viaja até à Costa do Marfim, onde faz as suas primeiras fotografias e nos Estados Unidos, descobre uma outra paixão: o cinema. Em 1936, trabalha ao lado de Jean Renoir, num filme para o Partido Comunista Francês e, no ano seguinte, realiza o seu primeiro documentário sobre um hospital republicano durante a guerra civil de Espanha.
Durante a II Guerra Mundial é feito prisioneiro pelo exército alemão. Após duas tentativas fracassadas, consegue finalmente evadir-se. Em 1947, junta-se aos fotógrafos, David Seymour, George Rodger e Robert Capa e traça o plano de uma agência, a Magnum, que se transformaria numa referência mundial, preservando durante largos anos a autonomia artística dos seus autores e assumindo uma missão política e social na Europa do pós-guerra. Foi durante esse período, na Europa, que Bresson registou momentos decisivos que viriam a mostrar a verdadeira definição do seu trabalho. Em 1974, regressa ao desenho e abandona a fotografia. A partir daí, passa a fotografar esporadicamente, paisagens ou retratos de artistas: Lucien Freud e Balthus nos anos 90, Henri Matisse ou Albert Camus, nos anos 40. Morre em 2004, com 95 anos. Para os amantes da fotografia e das artes esta é, sem dúvida, uma exposição a não perder.
Fotos inseridas neste post: 1) Henri Cartier-Bresson, Paris, 1992, 2) Ezra Pound, Veneza, 1971, 3) Samuel Beckett, Paris, 1964, 4) Jean-Paul Sartre e Fernand Pouillon, Paris, 1946 5) Simone de Beauvoir, Paris, 1947.

28 comments:

KA said...

Ora aí está uma exposição que gostaria de ver pois adoro fotografia a preto e branco. Acho que capta melhor as expressões...o sentimento que leva a determinada expressão.
Se bem que as fotografias a cores são indispensáveis principalmente para retratar momentos de veraneio por exemplo, nada como uma boa fotografia a preto e branco... e Bresson é exímio nesta área!

KA said...

Já agora permite-me que coloque aqui um link para quem não conhece o trabalho dele e onde se pode ter uma boa ideia.

http://www.magnumphotos.com/ aqui é só escolherem o nome dele e terão acesso a um port-folio de 50 fotografias, com a explicação detalhada de cada.

GarçaReal said...

Gostava de ver esta exposição.Há muito não veja algo semelhante.
bj

M&S said...

Muito Bom!
Esporadicamente... se captam, registam momentos únicos...
:)

Entre linhas... said...

Deve ser uma exposição espectaculas,a fotografia a preto e branco tem imensa beleza.
Existe grandes génios da arte de bem fotografar a preto e branco.
Bom início de semana
Bjs Zita

kiduchinha said...

também adoro fotografia! outra coisa, vais ver "A gaivota..." na herdade das Aguncheiras? Se fores, espero q o espectáculo esteja então à altura :) boa semana Amigo! beijocas

Maria said...

Belo passeio esse teu, de domingo...
E então fotos a preto e branco, de que tanto gosto....

Boa semana

Maria P. said...

Estive lá no sábado! Fiquei algum tempo sentada na esplanada junto ao Templo em contlemplação.Foi bom.

Beijinho*

Chawca said...

As fotos são ótimas,,,
Muito legal esse post..

Mar Arável said...

BELO LUIS - QUE NUNCA TE DOAM AS MÃOS E O DISCERNIMENTO CULTURAL

Luís Costa said...

" Je cherche surtout un silence intérieur. "

Este silêncio interior é o substrato que se encontra em toda a
ARTE seja esta pintura, dança, fotografia, literatura, cinema etc.
este silêncio chama-se poesia, é a voz do cosmos dentro do homem. Mais do que ninguém os surrealistas souberam isso.

Maria Valadas said...

Tens uma particularidade muito salutar... a que eu faço sempre uma vénia!

Nas tuas visitas de fim de semana...partilhas aqui connosco tudo o que mais gostaste. Além de alertares para quem está um pouco afastado das lides culturais!

Sabes.. que é uma forma de ensino..o que estás a fazer?

Muito obrigada...meu amigo.

Beijos da

Maria

art&tal said...

a proposito de frida

sem feridas. viver a vida assm...

claro.

tens por cá muita coisa que gosto

Lucinda Duarte said...

Vou sugerir ao meu filho (fotógrafo) que vá a Évora ver esta exposição.
Obrigado pela sugestão!

relatosdeumruivo said...

Figuras fascinantes
Talvez génios, talvez apenas seres errantes...
:)

un dress said...

quem me dera ver...ou...quem sabe eu mesma posso dar-me ver! :)

tenho dezenas de Photos antigas com montes de fotos dela que faziam as minhas delícias:

tardes inteiras só.
a beber aquelas histórias que via e traduzia nas imagens...


*

Maria P. said...

Quebrando o silêncio digo que a Casa de Maio escolheu o Infinito Pessoal entre 7.

Beijinho*

Vulcano Lover said...

Ha uns anos, esteve em Barcelona uma grande exposição sobre o fotografo. Começou justo semanas antes da morte do artista que mesmo asistiu à inauguração. Seguramente foi um dos seus últimos actos públicos. Eu pude vê-la e verdadeiramente foi qualquer coisa muito muito especial... Concordo com a tua opinião sob o seu trabalho.
Um abraço

Luís said...

As fotos são de uma beleza subtil.
Confesso que não conhecia o trabalho dele mas fiquei cativado.

Mais uma vez obrigado pela partilha amigo Luís =)

Sean Hagen said...

*




o cara é um gênio.
captou o mundo de forma única.





*

Moura ao Luar said...

Eu na minha casa já decidi que não entram quadros... será como um museu das minhas fotos, de lugares e pessoas, sou capaz de me deter interminavelmente perante uma fotografia, mesmo sabendo a sua história invento e reinvento o seu significado.

The White Scratcher said...

Obrigado Luís para nos oferecer esta viagem até Évora. Adoro ler-te, como sempre consegues ser uma inspiração. Gosto muito do Bresson, estamos a falar de um mestre que nos captura com simplicidade dos seus pretos e brancos e com todo o mundo de sombras a sua volta.
Não o vejo desta forma desde Lisboa 94,,, não vou perder a ocasião.

Obrigado por nos cuidar e mimar.

isabel said...

a nao perder

gosto da foto da s. beauvoir!

um abraço

legivel said...

... quando fôr grande hei-de fotografar como ele. Por agora vou aperfeiçoando a técnica e procurando fixar algumas figuras típicas (em vias de extinção... ) da cidade, embora corra alguns riscos. Como aconteceu ontem no Mercado do Forno de Tijolo. Procurei retratar uma peixeira que não estava nos seus melhores dias e me mandou para uns sítios muito pouco artísticos. Enfim, ossos do ofício...

kiduchinha said...

Desafio - Associações e Instituições
Se conheceres Associações / Instituições de Solidariedade, que precisem de alguma colaboração / ajuda, seja em termos humanos, materiais ou financeiros, deixa os contactos que eu divulgarei nos meus blogs!!!! Obrigada!!! beijocas bom fim semana!!!!!

kiduchinha said...

Desafio - Associações / Instituições
Deixa os contactos no espaço dos comentários no meu blog www.sonialx.blogspot.com!

isabel victor said...

Que maravilha ! Fui ver a expo retrospectiva deste fabuloso fotógrafo no Centro Cultural de Belém. Tenho esse catálogo - Excelente !

***

Fernando Pinto said...

Também gosto muito do sentir fotográfico desta alma sensível...

Abraço,
FMOP