Sunday, December 23, 2007

um rapaz feito de bronze...

Entre o roseiral e o parque, num lugar sombrio, solitário e verde, havia um pequeno jardim rodeado de árvores altíssimas que o cobriam com os seus ramos. No meio desse jardim havia um lago redondo sempre cheio de folhas. No centro do lago havia uma ilha muito pequena feita de pedregulhos e onde cresciam fetos. E no centro da ilha estava uma estátua que era um rapaz feito de bronze. E durante o dia o Rapaz de Bronze não se podia mexer e tinha que estar muito quieto, sempre na mesma posição, porque era uma estátua. Mas durante a noite…

Ontem à noite tive a oportunidade de ver o palco da Culturgest receber ópera, em versão de concerto. O Rapaz de Bronze do compositor Nuno Côrte-Real, com libreto de José Maria Vieira Mendes segundo o conto de Sophia de Mello Breyner-Andresen. O primeiro conto infantil de Sophia fez-se ópera num só acto, obra perfeita para a quadra natalícia. O Rapaz de Bronze remete-nos para a (por vezes) ténue distinção entre sonho e realidade. Um espectáculo entre a inocência da infância e o cepticismo da idade adulta. O jardim misterioso habitado pelo Rapaz de Bronze é visitado por Florinda, agora já crescida, que recua até ao passado onde viveu uma aventura maravilhosa: uma festa com todas as flores. Guiada pelo Rapaz de Bronze, uma estátua que à noite se transforma no rei do jardim, Florinda recorda a noite em que um vaidoso Gladíolo, revoltado pelo esquecimento a que é votado pela dona do castelo, organiza uma baile de flores. Reúne uma comissão formada pela Rosa, o Cravo, a Orquídea, a Begónia e a Tulipa e convidou Florinda porque se os humanos usam flores nas suas jarras para abrilhantar as suas festas, as flores devem também usar os humanos para enfeitar os seus bailes. A sugestão é feita pelo Rapaz de Bronze que nutre desde sempre uma paixão pela filha do jardineiro do castelo. Foi um festejo deslumbrante! Todos se divertiram até ao amanhecer. Mas quando o galo cantou, tudo terminou. Embora o libreto seja baseado num livro para crianças, este não foi um espectáculo dirigido ao público infantil, ultrapassando em muito as fronteiras do conto em que é baseado, desenrolando-se num universo mais próprio dos adultos. Florinda é "uma adulta com problemas" e com grandes dificuldades "em encontrar-se".

- A noite é fantástica e diferente!
- A noite – disse o Rapaz de Bronze – é o dia das coisas. É o dia das flores, das plantas e das estátuas. De dia somos imóveis e estamos presos. Mas de noite somos livres e dançamos.

O Rapaz de Bronze é um dos livros da minha meninice e pelo qual tenho uma enorme ternura. Ilustrado por Júlio Resende e constituído por quatro capítulos aborda o tema da distinção entre a verdade e a mentira. Clássico da literatura para a infância que tal como a Fada Oriana é uma “história fantástica” de enquadramento de rituais e ensinamentos, cuja transmutação final vai ao encontro de temas preferenciais de Sophia: o mar, o sagrado, o divino, a viagem, a sabedoria, a eternidade e a magia nocturna. Através da alusão alegórica ao mundo das flores, a contadora critica a sociedade onde se destacam “os mais chiques”, os “mais snobs”, os “mais mundanos”… Muitos dos contos da escritora foram sugeridos por praias, jardins, parques e pinhais, tendo-se inspirado numa casa da sua avó rodeada de jardins, a Quinta do Campo Alegre, no Porto. Aquelas páginas intrigavam-me mas ao mesmo tempo arrebatava-me o facto de à noite uma estátua saltar do seu pedestal, atravessar um lago e conversar. A descoberta dos mistérios da noite e do crescimento. As coisas extraordinárias e as coisas fantásticas também podiam ser verdadeiras. Porque há um mundo que é a noite e um mundo que é o dia. Como a noite pode ser deslumbrante, pensava eu. Este livro constituía (constitui…) para mim uma espécie de feitiço…
.....
Porque a noite é diferente do dia.

Porque a noite é distinta do dia (noite das coisas, terror e medo; na aparente paz dispersa; sobre as linhas caladas. efeitos de luz nas paredes caiadas, gestos e murmúrios de conversa, no mundo estranho do arvoredo, Sophia de Mello Breyner Andresen) sonhava muitas vezes que era o Rapaz de Bronze…

Noite
Mais uma vez encontro a tua face,
Ó minha noite que julguei perdida.

Mistério das luzes e das sombras
Sobre os caminhos de areia,

Rios de palidez que escorre
Sobre os campos a lua cheia,

Ansioso subir de cada voz
Que na noite clara se desfaz e morre.

Secreto, extasiado murmurar
De mil gestos entre a folhagem

Tristeza das cigarras a cantar.

Ó minha noite, em cada imagem
Reconheço e adoro a tua face,
Tão exaltadamente desejada,
Tão exaltadamente encontrada,
Que a vida há-de passar, sem que ela passe,
Do fundo dos meus olhos onde está gravada.

Sophia de Mello Breyner Andresen

24 comments:

avelaneiraflorida said...

UM POST LINDO!!!!!! LINDO!!!!!
"BRIGADOS" por esta partilha!!!!

Já a Sophia é um MUNDO IMENSO e cheio de VIDA!!!! Nunca me canso de ler e reler toda a sua poesia...
Este Rapaz de Bronze, só o conheço escrito!
Imagino que deva ser lindo transposto para um palco, com música!!!!
E, caro Luís, estes dias têm sido fantásticos...
depois do Sonho...é possível continuar a sonhar no jardim do rapaz de bronze!!!!
a frase sobre a multivalência da noite...é no mínimo, deslumbrante!!!!
"Brigados", mais uma vez, por esta partilha!!!!

Chawca said...

A noite sempre me encantou muito mais que o dia..
Seus sons, seus personagens muitas vezes soturnos me chamam muito mais a atenção...
Não conhecia O Rapaz de Bronze, ams comoa contece sempre que venho aqui, vou procurar para ler,,,

Deixo também meus votos de Feliz Natal e o desejo de um Ano Novo melhor para todos nós...

Um abraço

Maria Faia said...

Estimado Amigo Luis,

Este post virei ler, com atenção.
Agora, apesar de a quadra natalícia não constituir, para mim, momento de grande alegria ou felicidade, venho deixar-lhe um beijo amigo, com votos de Boas Festas e de um Ano Novo repleto de Felicidades.

Abraço amigo,
Maria Faia

Je Vois la Vie en Vert said...

Agradeço a tua visita ao meu cantinho e os teus votos de Boas Festas.
Desejo-te também um Feliz Natal dentro do espírito natalício puro e um Ano Novo repleto de Paz, Harmonia, Saúde e Amor, enfim de Felicidade !
o endereço do meu coro é o segunte : http://coroeccegratum.blogspot.com

Pode ser que um dia tenhas vontade de ir ouvirnos cantar !
Beijinhos verdinhos

Olhos de mel said...

Oie meu amigo lindo! Belo post! Belo poema! O livro não conheço, mas pareceu-me bom de ler, sim!
Feliz Natal e Feliz Ano Novo! Que ele seja de realizações, paz, amor, felicidades e saúde!
Beijos

Shelyak said...

Não conhecia. A minha infância, embora boa, não passava pela leitura, tanto como teria desejado. Tenho tentado recuperar o tempo perdido, com maior ou menos sucesso...
Um obrigado por te ter tido, durante todo este tempo, acompanhando-me no meu cantinho (como eu por aqui, aliás,) e pelas tuas tão simpáticas palavras.
Boas festas para ti, rapaz! :)

Shelyak said...

Não conhecia. A minha infância, embora boa, não passava pela leitura, tanto como teria desejado. Tenho tentado recuperar o tempo perdido, com maior ou menos sucesso...
Um obrigado por te ter tido, durante todo este tempo, acompanhando-me no meu cantinho (como eu por aqui, aliás,) e pelas tuas tão simpáticas palavras.
Boas festas para ti, rapaz! :)

Mar Arável said...

O AMOR TAMBÉM SE CONQUISTA

NAS JANEIRAS

ABRAÇO

RedLightSpecial said...

O que eu amava (amo) os livros de Sophia.... este em especial é uma delícia, um verdadeiro mergulho nos meus sonhos de criança.
Foi tão bom agora voltar a sentir essa magia...
Aproveito para, e falando em magia, desejar que este teu Natal seja iluminado e muito especial, pleno de tons vermelhos e cores quentes, que traduzam amor, felicidade, alegria, saúde e paz.
Beijos natalícios para ti,
Red

Daniela said...

Olá Luís!

Que saudades da Sophia!!
O Rapaz de Bronze, tal como tudo o que ela escreveu fica para sempre connosco, como disse o Miguel Sousa Tavares quando ela partiu, "nada do que é importante se perde verdadeiramente".

Um Feliz Natal!

Frioleiras said...

UM SANTO E FELIZ NATAL !

Beijos

Blue Velvet said...

Sempre gostei mais da noite do que do dia, e há várias histórias e bailados que são como a do Rapaz de Bronze.
Uma de que me lembrei agora é o célebre Quebra Nozes.
Curioso com a Arte se entrelaça: um conto que vira peça de teatro, um bailado que é um conto infantil, enfim, só prova que não há várias Artes.
Do meu humilde ponto de vista, desde que não sejam de plástico, Arte é Arte.
Mais uma vez,
Boas Festas

Ana Paula said...

Olá, Luís!

Boas Festas!

Um Natal muito Feliz para si e todos de quem gosta! :)

maristela said...

Luis. Vim para te deixar um beijo de Natal e manifestar minha alegria a cada visita a este blog tão bem cuidado e com conteúdo admirável.

Special K said...

E é um livro tão bonito..
Sophia é mesmo um mundo.
Um Abraço

rui said...

Olá Luís

Deixo o desejo de um Bom Natal.

Abraço

pin gente said...

"Mas de noite somos livres e dançamos."
e eu danço tanto também de dia!
temos que transformar o dia em noite...

parabéns
e feliz natal
luísa

Osc@r Luiz said...

Boa tarde.
Considerando o conteúdo altamente cultural e instrutivo do seu belo blog, sinto-me honrado em receber o seu gentil comentário ao meu.
Se me permitir, oportunamente, gostaria de linká-lo aos meus para visitá-lo sempre que o meu escasso tempo permitir.
Muito obrigado pela sua gentileza.
Seja sempre bem vindo aos meus blogs.


Não me importa o seu idioma, ou onde você está. O meu desejo é o mesmo:

Alemanha: Fröhliche Weihnachten

Bélgica: Zalige Kertfeest

Brasil: Feliz Natal

Bulgária: Tchestito Rojdestvo Hristovo, Tchestita Koleda

Catalão: Bon Nadal

China: Sheng Tan Kuai Loh (mandarín) Gun Tso Sun Tan'Gung Haw Sun (cantonés)

Coréia: Sung Tan Chuk Ha

Croácia: Sretan Bozic

Dinamarca: Glaedelig Jul

Eslovênia: Srecen Bozic

Hispanoamérica: Felices Pascuas, Feliz Navidad

Estados Unidos da América: Merry Christmas

Hebraico: Mo'adim Lesimkha

Inglaterra: Happy Christmas

Finlândia: Hauskaa Joulua

França: Joyeux Noel

País de Gales: Nadolig Llawen

Galego (na Galicia): Bo Nada

Grécia: Eftihismena Christougenna

Irlanda: Nodlig mhaith chugnat

Itália: Buon Natale

Nova Zelândia em Maorí: Meri Kirihimete

México: Feliz Navidad

Holanda: Hartelijke Kerstroeten

Noruega: Gledelig Jul

Polônia: Boze Narodzenie

Portugal: Boas Festas

Romênia: Sarbatori vesele

Rússia: Hristos Razdajetsja

Sérvia: Hristos se rodi

Suécia: God Jul

Tailândia: Sawadee Pee mai

Turquia: Noeliniz Ve Yeni Yiliniz Kutlu Olsun

Ucrânia: Srozhdestvom Kristovym

Vietnã: Chung Mung Giang Sinh

São os votos do "By Oscar Luiz", do "Flainando na Web" e do "Gente Sem Saúde".

E que 2008 seja o ano das suas realizações!
Um grande abraço deste novo pretenso amigo!

JuliaML said...

Olá,

Passei para lhe desejar um Feliz Natal!

ANTONIO DELGADO said...

Estimado Luis Galego,

Obrigado pela sua passagem no Ecos e comentarios e pelo comentario deixado, de seguida farei um link no meu blog para o seu. Aproveito ainda para lhe expressar o que é o cliché mais comum destes dias: FESTAS FELIZES.

Cordialmente
António Delgado

Fragmentos Culturais said...

Mais um poema lindíssimo, desta feita de Sophia!

Penso que grande parte dos 'bloguers' publicou imagens, talvez bonitas sim, mas as mensagens/textos/poemas reflectem este 'grito'de urgência por todos os Seres que estão neste momento a viver abaixo da sua condição humana! E são muitos, actualmente :((

É preciso ter Esperança num futuro mais fraterno com menos artificialidade! É urgente que a Humanidade progrida no Bondoso sentido!

Retribuo sensibilizada os votos poisados em 'fragmentos'!

**Santo Natal**
**Fraterno Natal**

Um beijo

isabel mendes ferreira said...

ouro.



um "rapaz" infinitamente de ouro.





_________________



beijo.


silencioso.



___________________.


até sempre.

isabel mendes ferreira said...

e hoje o sol brilha!



será do "ouro"?

é certamente.

bom dia L.G.

Cleopatra said...

E a Fada Oriana?!...Tocou-me tanto!