Saturday, April 19, 2008

bons ventos...

"Não somos melhores nem piores.
Somos iguais. Melhor é a nossa causa."
Thiago de Mello

Carme Chacón Piqueras, cabeça de lista pelo Partido Socialista Operário Espanhol (PSOE) por Barcelona, é a Ministra da Defesa do governo de José Luis Rodríguez Zapatero. O novo Governo está carregado de símbolos a favor da igualdade. A Ministra mais nova tem 31 anos e a Defesa é chefiada por grávida. É o primeiro Executivo da democracia a ter uma mulher na política castrense; o primeiro com um ministério (a sério) para a Igualdade e também o primeiro com mais ministras (nove) do que ministros (oito). Independentemente do que vão ser as opções destas mulheres, o facto de existirem enquanto protagonistas de relevo representa uma mudança fundamental. Tal como no caso da cor, no do género, a negação teórica ou prática do exercício dos seus direitos, ou a menorização, a que pretexto for, das suas capacidades com base em falsas questões não só é injusta como resulta num prejuízo incomensurável para toda a sociedade que essas pessoas poderiam servir. Alguma coisa começa a mudar, pelo menos em terras de Juan Carlos. Carme Piqueras tem trinta e sete anos e está grávida de sete meses e passa, assim, revista às tropas! Com o parto previsto para o Verão, já afirmou que será o marido a utilizar o período de licença mais longo que a lei espanhola concede ao casal. Existem vários motivos para desejar que Zapatero continue à frente do governo espanhol, mas para já registe-se a admirável política de defesa dos direitos civis e a diversidade. A expressão mais enriquecedora da vida humana é a sua diversidade. É dever de qualquer Governo facilitar e reforçar a diferença a fim de chegar a um mundo mais justo para todos. Há uma Espanha moralista, pelos vistos apoquentada com essa audácia e ameaça com o 'index' da aniquilação da família tradicional. Mas age bem o chefe do Governo em não dar justificações. Embora estorvando o ditado tantas vezes nomeado, e deixando de parte os casamentos, que de Espanha persistam os bons ventos. Congemino acerca da reacção dos generais portugueses se, também eles, tivessem de bater a pala e fazer continência a uma mulher. Começo a simpatizar com Zapatero…

19 comments:

sp said...

Também aqui (e como esta música!) se nota essa diferença, não é?
Um abraço...

pin gente said...

teremos então, talvez, o/a mais novo/a ministro/a por simpatia...

gosto sempre de te vir ler, luís
abraço
luísa

Blue Velvet said...

Fantástico!
Não é que começo também a simpatizar com o Zapatero, sim porque contigo já simpatizo há mais tempo:)))
E esta música...
Hum...
Beijinhos e bom fim-de-semana

comecardenovo said...

é impressão minha ou and atudo muito femininista? A Blue escreve um conto macho, tu...
bom fim de semana

pinguim said...

Amigo Luís
eu há muito que sinto simpatia por Zapatero, que sem guerra de palvras, mas com actoe se opôs à toda poderosa Igreja espanhola, muito mais conservadora que a nossa e fez na questão da igualdade catapultar a Espanha para a frente dos países mais avançados do mundo. Este seu segundo governo só mostra que é mesmo um político moderno e despegado das características habituais dos velhos políticos, mesmo que carismáticos.
O carisma é assim que vai tomando forma...
Abraço...e até mais logo.

Sophiamar said...

E começo com a frase com que terminaste:começo a simpatizar com Zapatero. Que de Espanha comecem a soprar bons ventos.

Beijinhos

Maria P. said...

Que soprem os ventos de espanha...

Beijinho e bom fim-de-semana*

Paulo Tomás Neves said...

A questão, a meu ver, não é tanto a presença de mulheres no governo, nem sequer na Defesa, mas sim isso ser encarado por Zapatero como perfeitamente normal, são pessoas a exercer um ministério, o seu género é indiferente. Ao contrário, Portugal teve ministras, uma delas primeira, mas sempre encaradas como "fazendo o papel de homem" :-(
é pena que seja notícia, novidade, algo tipo "o homem que mordeu o cão", quando deixar de ser será dia para nos alegrarmos, mas então será tão natural que, tal como tudo o que nos habituamos a receber como se estivesse garantido, não nos despertará o espírito para o elogio.

avelaneiraflorida said...

Amigo Luís,

A meu ver não se trata de uma questão masculino /feminino...
Será mais importante pensar em Qualidade, Profissionalismo/ Inteireza de carácter...
todas elas se encaixam quer em homens quer em mulheres!!!! Se o mundo da política SOUBER / QUISER entrar "por aí" talvez muita coisa ainda possa mudar nos dias que chegam...quer de Espanha, quer de outros lados do mundo!!!!

cõllybry said...

É sempre bom ver, sangue novo e gente bonita...

Doce beijo

isabel said...

Já simpatizava com ele. Enfrenta o "touro pelos cornos". Por mais natural que queiramos fazer parecer a questão da paridade no governo, não conseguimos ficar indiferentes.

Bom fim de semana, Luís.

The Unfurry Swear Bear said...

Quando é que NÓS, temos um governo que deixa de ser retrograda e preso com correntes da politica do seculo passado...

Paula Crespo said...

Que persistam os bons ventos e que soprem rápido! Sempre gostei de Espanha, ao contrário da ideia sediça e bolorenta que por cá se arreigou, e também sempre nutri alguma simpatia por Zapatero. Agora mais do que nunca, claro. E a justificação é fácil e está à vista: parece que ele quer dar vida e corpo ao tão propagado slogan da paridade. Assim parece; a ver vamos.

Keratina said...

Obrigada pelas tuas palavras.
Gostei muito do jantar e de juntar um rosto às palavras que há muito conheço.

Beijinhos e mais uma vez, obrigada!

**Je Vois la Vie en Vert ** said...

Conheço muitos generais portugueses e posso te assegurar que têm respeito pelas mulheres, falta agora é encontrar uma ministra tão bonita e tão sensual ! Conheças alguma ????
Beijinhos verdinhos

Special K said...

Por cá as mulheres em altos cargos de governação ainda são muito raras, então grávidas ainda pior.
O jantar foi óptimo gostei de te ter conhecido ainda que tivéssemos falado muito pouco.
Um abraço.

Vulcano Lover said...

Sim, o zapatero tem essa forma subtil de fazer mudar as coisas. Agora o matrimónio entre pessoas do mesmo sexo já se está a ver com normalidade. E também será no futuro ver uma mulher grávida à frente do ministero da defesa. É provável que sejam so gestos, mas eu acho que esses gestos fazem com que avançemos para um futuro melhor.

MrTBear said...

A pergunta capital para mim é: São competentes e preparadas para a função que vão desempenhar?
Se sim, não vejo onde estará a surpresa.
Agora se foram escolhidas só por serem mulheres, é aquilo a que se chama, uma verdadeira estupidez. Tão estupidez como escolher um homem para uma função governativa, apenas porque é do partido do governo.
Quanto ao estar grávida e receber a continência, já os militares portugueses o faziam, no tempo de D. Maria. Não vejo onde está a "modernidade".
Foi um prazer conhecer-te. Espero que haja uma próxima oportunidade para podermos conversar melhor.
Abraço

Patti said...

Estas imagens e esta opção do Zapatero só vem provar que algo que está a mudar, muito lentamente é certo.
E o facto de aquela mulher estar grávida e à frente de tropas, só prova que a gravidez em nada nos debilita, pelo contrário, torna-nos tão ou mais fortes que os homens.

Gostei deste blog, vim através da Ka.