Monday, July 30, 2007

provavelmente o maior desde a invenção da máquina de filmar...

a language that literally is spoken from soul to soul in expressions that, almost sensuously, escape the restrictive control of the intellect…
1965

Fazer filmes é para mim um instinto, uma necessidade como comer, beber ou amar…

Eu também tenho vivido toda a minha vida com isto a que Bach chama "a sua alegria". Ela tem-me ajudado em muitas crises e depressões, tem-me sido tão fiel quanto meu coração. Às vezes é até excessiva, difícil de dominar, mas nunca se mostrou inimiga ou foi destrutiva. Bach chamou de alegria ao seu estado de alma, uma alegria-dádiva de Deus. Deus meu, faz com que eu não perca a alegria que há em mim, repito no meu íntimo.
A Lanterna Mágica

A obra de Bergman compõe um dos mais ricos e essenciais capítulos da história do cinema. Como poucos, o realizador apropriou-se da linguagem para confeccionar um conjunto significativo que transcende a própria experiência cinematográfica. Abordando temas intrínsecos à existência humana o cineasta rompeu as fronteiras do cinema sueco e atingiu a universalidade. Os seus filmes lidam geralmente com questões existenciais como a mortalidade, solidão e fé. As suas influências literárias vêm do teatro: Ibsen e Strindberg.

Filho de pastor luterano, suportou uma educação autoritária, baseada em conceitos relacionados ao pecado, confissão, castigo, perdão e indulgência. Na sua autobiografia, Lanterna Mágica, Bergman faz relatos impressionantes. Sempre que contava uma mentira recebia castigos constrangedores, como desfilar com um vestido de rapariga ou ser trancado num armário. É nesse período que vivência sentimentos como vergonha ou humilhação, tão explorados nos seus filmes. A iniciação profissional deu-se através de um dos patriarcas do cinema sueco, Victor Sjostrom, homenageado em Morangos Silvestres, em que Sjostrom interpreta o protagonista que perde a noção da memória face à iminência da morte. Do mestre, Bergman herdou a compreensão da natureza como elemento de sustentação dramática. É o que ocorre, por exemplo, em Monika e o Desejo, onde o verão inunda o enredo de sensualidade. Foi esse filme, por sinal, que despertou o interesse de Woody Allen pelo cineasta sueco. Na opinião de Allen, Bergman foi “probably the greatest film artist, all things considered, since the invention of the motion picture camera.” (Cf.The Associated Press, 1988). Embora Bergman seja quase sempre lembrado pelas suas obsessões mais frequentes, como o passar do tempo, a morte e a impossibilidade de comunicação, presentes em filmes como Luz de Inverno, O Sétimo Selo, O Silêncio, Persona e tantos outros, o conhecimento mais aprofundado da sua obra revela um autor de talentos múltiplos.

Foi casado com Liv Ullmann que participou em dez de seus filmes, entre eles Cenas de um casamento, que explora os conflitos sexuais e psicológicos de um casal em crise. 30 anos depois, já separados, Bergman e a actriz voltaram a trabalhar juntos em Saraband, que mostra a relação dos protagonistas de Cenas num outro momento, em idade madura. Saraband foi o último filme de Bergman e foi uma obra que muito me marcou. Quando vi esta pérola reagi como se me tivessem dado um murro. Primeiro atordoado, depois doído e por último inquieto.

O lendário realizador sueco Ingmar Bergman morreu, esta manhã de segunda-feira, aos 89 anos, na sua casa na ilha sueca de Gotland, onde todos os verões é celebrada a sua vida e obra.
Ver trailers de filmes do realizador: O Sétimo Selo, Morangos Silvestres e o mais recente Saraband.
Ver excelente site do realizador Ingmar Bergman face to face.

16 comments:

Luís said...

Tenho que tirar um serão para o dedicar a "Saraband", então.

Um abraço,

Luís

PS: Fui ver o "La faute a Fidel"... tinhas razão: valeu muito a pena!

Maria said...

Eu sabia que vinha encontrar aqui, hoje, este post.
Bergman, um dos melhores, para mim o mais inquietante.
Por causa dos seus filmes, no final dos anos 60, fui aprender sueco. Detesto ter que ler legendas.
Recordo aqui também "A fonte da virgem"...
Obrigada, Luís, por esta homenagem a este génio do cinema...

Um abraço

avelaneiraflorida said...

JUSTISSIMA HOMENAGEM!!!!!

O MUNDO FICA MAIS POBRE!

Ka said...

Bergman...que mais posso acrescentar depois deste teu post?

Também fiz um (um apontamento comparado com o teu)pois não podia deixar passar em branco uma perda destas.

Saraband tenho aqui para o ver...com calma, como ele merece! Mas há um filme para mim que é até agora o favorito entre os dele: A Festa de Babette...uma delícia de filme. Se ainda não o viste, vale a pena veres.

Beijinho e boa semana

isabel said...

também eu sabia que vinha aqui encontrar uma homenagem a bergman!
porque será que, mesmo sem nos conhecermos, acabamos por nos conhecer "tão bem"? :)
hoje vi "morangos silvestres" mesmo antes de saber a notícia!
sentimentos e emoções, retratadas de maneira sublime...

Vê aqui também
http://takeitisa.blogspot.com/
(agora não consigo tirar a música...)
beijo

Arion said...

Pois, morreu o Bergman... Excelente e merecida homenagem.

Cristina GS said...

Cheguei aqui vinda de um um mar do sul. Voltarei. Parabéns

pinguim said...

Para não fugir à regra "seria impossível" não encontrar Bergman aqui, hoje.
O teu título quase não permite mais comentários.
Eu, como admirador incontestátevel deste Senhor, não podia ficar indiferente, e claro que postei sobre ele, e usei a mesma foto que tu, curiosamente; só não usei palavras tão expressivas como a stuas, mas isso é normal...
Abraço.

Maria said...

E hoje, Antonioni.... um génio...
... assim nos vão deixando...

Iara Alencar said...

Ola luis, não conheço nenhum dos filmes que você falou ai em cima, é uma pena, mas pelo menos sabemos que ele viveu o suficiente pra ser eterno.

papagueno said...

Perdeu o seu último xadrês contra a morte.
Fica uma grande obra.
Um abraço

Luís Costa said...

Gostei de ler estas tuas palavras sobre o realizador Ingmar Bergman. Já agora recomendo-te a leitura do texto sobre Bergman do poeta Nicolau Saião que se encontra na revista digital triplov:

http://triplov.com/letras/nicolau_saiao/2007/Ingmar-Bergman/index.htm


Um abraço:

Luís

Sean Hagen said...

*



nunca sei se gosto, odeio, idolatro ou repudio a obra de bergman. tudo depende da fase da vida em que vejo seus filmes.
talvez essa capacidade de tantas leituras diferentes seja a marca de um gênio.

e pra quem diz que cinema não é arte, taí a obra dela pra desmentir.



*

Frioleiras said...

Gostei muito de tudo , de tudo o q dizes sb o Bergman...

Gostava/gosto muito dele !...

Shelyak said...

Tive uma reacção parecida com a tua ao ver o Saraband...
Abraço :)

Ana Paula said...

Bergman: um dos meus preferidos, sempre, sempre...! Marcou-me imenso e a minha tristeza pelo seu desaparecimento é profunda.
Obrigada por nos proporcionar esta excelente homenagem a Bergman! :)