Saturday, October 31, 2009

algures em Lisboa...


Algures em Lisboa
entardece e há um mexer de dedos nervoso
um arrepio
uma voz enclausurada
uma pequena ruga que nasce
um coração que bate descompassado.

Algures no centro da cidade,
alguém ofegante que espera
um gesto feminino.

Nenhum sedativo pode estancar esse medo
essa ofegante respiração
essa emoção, esse querer
essas lágrimas em bruto
no íntimo
de um homem
ás portas do anoitecer.
Luís Galego

Imagem retirada aqui (Piotr Kowalik).

11 comments:

cirandeira said...

"Algures em Lisboa" assistí e ouví
"Fados" maravilhosos, graças a Carlos Saura. E agora, aqui, leio um poema a essa cidade-mulher que só conheço à distãncia...!Ah1 Lisboa, velha cidade, cheia de encanto e beleza, diz a canção. E de grandes poetas, que mesmo "às portas do anoitecer", continuam a
revelar-se !

pinguim said...

"estou a ouvir" o Carlos do Carmo a cantar este belo poema...
Abraço.

Maria Ribeiro said...

LUÍS:localização precisa"ALGURES EM LISBOA"... Um sujeito poético aflito, ansioso, demarcado das realidades circundantes, "sozinho no meio da multidão!", um tom confessionalistaà moda de um Romântico inveterado...
Concluo: homem com medo de voltar a AMAR e de se entregar a um novo AMOR!A imagem , verdadeiramente erótica, fala somente "DOS CINCO SENTIDOS/ TODOS NUM CONFUNDIDOS"- palavras de GARRETT...Qualquer homem ou mulher pode viver esses momentos de "embriaguÊs , sem dar um pouco da alma e o amor sem alma é pura pornografia!PARA ESSE HOMEM, É sempre NOITE no AMOR...
BEIJO DE LUSIBERO

AnaLee said...

Luís, que dizer?
Nada, para não estragar... :)

Vulcano Lover said...

Essas rugas a se fecharem no íntimo do segredo... algures em Lisboa.

lusibero said...

LUÍS GALEGO:NÃO é obrigatório, de modo nenhum, que tu demonstres ter gostado ou não, de um comentário... Mas também gostava de te ver aparecer, de vez em quando, a mostrar que te merece consideração o blog que te aprecia...Não leves a mal dizer-te isto, porque creio que nos conhecemos , há tempo suficiente, para eu desabafar a mágoa de não te ver mais vezes...
BEIJO DE LUSIBERO

Mel de Carvalho said...

algures em Lisboa (ou perto), meu "brother", te confesso que, a cada dia mais mais me espanta a tua escrita, a tua lírica. longe vão os tempos e os barcos de papel em que escrevias tão só e apenas, crónicas (belíssima, por sinal), sobre o mundo das emoções que desejavas partilhar connosco, teus fieis leitores: artes.

Felizmente para a literatura te revelaste desta forma.

Beijo da tua "sister" que te lê SEMPRE. Pois, comenta quase NUNCA...:)

Fica bem, meu bom amigo
Mel

Mar Arável said...

Por veze as esperas

dão bons poemas

mesmo algures no entardecer

Abraço

Angelo said...

Algures em Lisboa leio os comentários aqui e sinto-me entupido pela vergonha de não saber comentar com semelhante retórica e idêntico deslumbramento os textos do senhor Luís Galego. Gosto de os ler, os seus textos, confesso. E também que sou um leitor invejoso. Faz parte da minha leitura esta inveja, a de nunca ter escrito com essa sua hábil sensibilidade e brilhante imaginação. A minha confissão é a de quem já chegou a perguntar-se por que insiste em visitar este blogue onde sustenta uma repreensível cobiça sobre uma escrita sempre elogiada. A resposta foi tão desinteressante que deixei de me fazer perguntas a propósito do meu interesse no «Infinito Pessoal». Mastigo os textos. Alimento a fantasia. Fico silencioso. Observando os outros, quase sempre os mesmos, a manifestarem prazeres. Falta-me a elegância dessas manifestações. Desculpe-me! Por aquela falta, é claro, e também pela hipótese de ver aceite esta minha presumida verbosidade. Algures no centro da cidade, permaneço atento às suas histórias.

Pedro Gamboa said...

Sedativos por vezes são balas de pó contra as enxurradas de emoções..

Fábrica de Letras said...

O desafio da Fábrica de Letras está lançado!
Para o mês de Novembro, o tema será "Preto e Branco".
Para participar basta escrever um texto sobre o tema proposto e inscrever-se no link que estará à disposição no nosso blog, no dia 15 deste mês.
Podem ser usados textos,poemas, desenhos, pinturas, contos, fotos ou vídeos.
Participa, divulga!